sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

IPVA e IPTU: veja se é melhor pagar à vista ou parcelar


Por Metro Jornal


Fazer um planejamento para pagar as dívidas do começo do ano, como o IPVA e IPTU, pode ajudar a manter a  vida financeira organizada. Mas mesmo que esses gastos já sejam esperados, há quem fique em dúvida sobre o que é mais vantajoso: pagar à vista ou parcelar.

"A pessoa que não fez nenhuma reserva financeira vai ter que olhar para o próprio orçamento e ver se é possível pagar à vista sem comprometer outras contas", explica o educador. "Por isso, antes de decidir a forma de pagamento, é importante avaliar a própria conta bancária".
Segundo ele, no caso do IPTU é preciso ficar atento à data de vencimento da primeira parcela. "Se já há dinheiro para isso, o melhor é pagar à vista e aproveitar o desconto", orienta.
Para quem não se planejou, está sem dinheiro ou vai pagar multas, a dica é se atualizar do valor real da dívida para procurar a melhor solução. "Falar com a família para ver quais gastos podem ser reduzidos também pode ser uma forma de lidar com esse momento", afirma Edward.
O especialista também chama atenção para a importância do planejamento para quem não quer passar por apuros financeiros a cada ano. "Quem já tem uma educação financeira mais apurada pode dividir o valor do IPVA e do IPTU ao longo do mês, em uma aplicação. Assim, quando chegar o começo do ano, a pessoa já tem esse valor reservado".
Outra dica do educador financeiro é usar uma parte do 13º salário para pagar esse tipo de despesas e começar o ano com a conta no azul.
Nem sempre quitar esses débitos de uma vez pode ser a melhor alternativa. Tudo vai depender se a pessoa se preparou, se há dinheiro extra e até se outras dívidas não merecem prioridade, explica Edward Cláudio Jr., especialista da DSOP, organização dedicada à disseminação da educação financeira.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Estudo mostra que maioria no Brasil paga conta em dia, mas não planeja orçamento

Por Metro Jornal.


Um estudo divulgado nesta segunda-feira (8) pelo Banco Central mostra que 64% dos brasileiros pagam suas contas em dia, mas 56% não fazem um orçamento doméstico ou familiar. Feito em parceria com a Serasa Experian e com o Ibope, o levantamento, cuja coleta de dados ocorreu em 2015, mostra ainda que 69% dos brasileiros afirmaram não ter poupado nenhuma parcela da renda recebida nos 12 meses anteriores.
"A falta de hábito de poupança atinge todas as faixas etárias, principalmente as faixas de renda inferiores, resultando em baixa capacidade de arcar com despesas imprevistas", destacou o BC em newsletter divulgada na manhã desta segunda.
Entre os 31% que pouparam parte da renda nos 12 meses anteriores ao levantamento de dados, 53% dos entrevistados guardou menos de 10% dos recursos. Outros 30% pouparam entre 11% e 20% da renda, enquanto 12% guardaram de 21% a 30%.
Conforme o BC, apenas 5% pouparam mais de 31% do dinheiro recebido. "Esse resultado indica que, além de o porcentual de poupadores ser baixo, a parte da renda reservada à poupança não é elevada", pontuou o BC.
A amostra da pesquisa foi composta por 2.002 pessoas distribuídas em todas as regiões do País, por meio de entrevistas presenciais, realizadas entre os dias 9 e 13 de abril de 2015. A íntegra do estudo está disponível em http://www bcb.gov br/nor/relincfin/serie_cidadania_financeira_pesquisa_infe_br_%200 443_2017.pdf.

Os benefícios da alimentação com mantimentos integrais

Por ser rico em fibras, o alimento integral limpa o organismo e ajuda a retirar a gordura, os açúcares e as toxinas do corpo

Os alimentos integrais são fontes de diversos nutrientes, tais como, a vitamina E, vitaminas do complexo B e minerais: como o selênio, zinco, cobre, ferro, magnésio e fósforo. Esses mantimentos podem ser incluídos diariamente na dieta ao optar pelo consumo de arroz integral, granola e outros grãos integrais, a exemplo da aveia. As massas e pães brancos devem ser substituídos pelas versões integrais.
De acordo Cristiane Botelho, nutricionista da Clínica de Nutrição da Universidade Univeritas/UNG, os alimentos integrais possuem uma grande quantidade de fibras, que absorvem água formando uma espécie de gel no estômago, ficando lá por mais tempo, causando a sensação de saciedade, ou seja, "matam a fome" por mais tempo. "O consumo do integral faz com que a pessoa senta menos fome, e isso pode ajudar com que o consumo de outros alimentos seja menor. Sobretudo, para quebrar a fibra do alimento é necessário mastigá-lo mais vezes, facilitando a digestão e maior aproveitamento dos nutrientes. O processo de mastigação ajuda também ajuda a ativar a sensação de saciedade", explica.
Em relação às questões calóricas, os alimentos integrais e os refinados possuem quase o mesmo valor energético. A grande diferença está na composição nutricional entre eles. Os integrais por não passarem pelo processo de refinamento, mantem suas características originais, preservando sua propriedade nutricional, enquanto os refinados, perdem, durante o processo industrial, boa parte dos nutrientes e fibras que possuem. Contudo, é essencial a ingestão de água, para evitar problemas de constipação.
Benefícios:
Os alimentos integrais, também, ajudam no tratamento ou prevenção de doenças, pois preservam os minerais e vitaminas em sua composição, e pela riqueza em fibras que contribuem para melhorar o bom funcionamento do intestino e do organismo como um todo. O consumo e é aconselhável como preventivo para muitas doenças e para a manutenção da saúde de diversos órgãos do corpo. Os níveis de açúcares no corpo também são equilibrados, pois a liberação da glicose se torna mais lenta e constante, beneficiando especialmente os portadores de diabetes.  Além disso, por serem ricos em fibras limpam o organismo, ajudando a retirar a gordura, os açúcares e as substâncias toxicas presentes no corpo, e ajudam a baixar os níveis de LDL, também conhecido como colesterol ruim, o que previne doenças cardiovasculares.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Saiba como se cuidar neste verão

Sol é fonte de vitamina D, mas a exposição excessiva traz sérios riscos à pele. Veja como se prevenir



Por Carlos Minuano - Metro Minuano
O verão acabou de começar. Isso significa que está aberta a temporada de praia, piscina, esportes, atividades físicas e muito diversão ao ar livre. Tomar sol, além de gostoso, é importante, afinal, é fonte de vitamina D. Mas a exposição excessiva traz perigos à saúde, predispondo a doenças como o câncer de pele, por exemplo. Ou seja, é hora também de redobrar a proteção.
“Todos devem se proteger”, afirma Juliana Ominelli, oncologista clínica do Centro de Excelência Oncológica, do Grupo Oncoclínicas no Rio de Janeiro. “Não importa a idade, o sexo ou a cor da pele, devemos usar protetor solar diariamente, sempre que saímos de casa, mesmo que o dia esteja nublado”.
Até em dias de chuva é necessário se proteger, observa a dermatologista Cíntia Guedes Mendonça, especialista em dermatologia pela SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia). “No Brasil a quantidade de radiação ultravioleta é muito grande, isso faz com que mesmo com o tempo nublado ou chuvoso, o uso de protetor solar seja imprescindível”. Segundo ela, basta seguir uma regra bem simples: se é dia significa que tem sol e devemos proteger as áreas expostas (rosto, colo, braços, mãos, pescoço, por exemplo).
Tipos de proteção
A oncologista Juliana Ominelli orienta que fotoproteção e protetor solar são coisas diferentes. “O protetor solar é um dos meios de fotoproteção, que protege principalmente dos raios UV-B (raios ultravioletas que atingem as camadas mais superficiais da pele)”.
Mas há outros mecanismos de fotoproteção, como o uso de chapéu, óculos escuros, mangas longas ou ainda roupas com proteção UV. “Esses tecidos especiais protegem logo que os vestimos (diferente do protetor solar que deve ser aplicado, pelo menos, 30 minutos antes da exposição solar e reaplicado a cada 2 horas ou antes), diz a dermatologista Cíntia Guedes. Entretanto, a médica adverte que ainda não existe uma norma brasileira disponível para quantificar o fator de proteção das roupas.
Saiba como se proteger
Protetor solar: qual tipo e como usar?
O protetor deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição solar e reaplicado a cada 2 horas. Em condições normais, o FPS (Fator de Proteção Solar) deve ser no mínimo 30 e ter proteção UVA (os raios que atingem as camadas mais profundas da pele). Se for praticar atividades físicas, deve ter FPS acima de 50 e resistência à água. Protetores em cremes diminuem a ardência nos olhos. Para uso corporal, loção e spray são boas opções.
 Pode praticar atividades físicas no sol?
Para a prática de atividades físicas também deve-se usar protetor solar e reaplicá-lo com frequência maior do que nas atividades de lazer ou passeio. Também é importante ter mais atenção ao tempo de exposição solar. Outra dica importante é usar roupas de mangas longas, chapéus e óculos escuros, além de não realizar as atividades esportivas no período entre 10h e 15h. Ah, e não esqueça de beber bastante água e líquidos.
Todos óculos escuros têm proteção UV?
Não é possível testar a proteção dos produtos nas lojas. Por isso, a recomendação é checar se foram testados e aprovados pelo Inmetro. Óculos de lentes escuras sem a proteção contra raios UV podem aumentar a exposição aos raios nocivos. Ou seja, verifique a certificação e evite usar se for de origem suspeita. Para a proteção ocular adequada é recomendada uma proteção que absorva 99 a 100% de toda a radiação ultravioleta.
Roupas com proteção UV funcionam?
Com o avanço da tecnologia, hoje já é possível encontrar no mercado roupas capazes de absorver até 98% dos raios solares e minimizar o risco de manchas indesejadas e doenças de pele. Mas é importante checar se, de fato, possuem a proteção informada. Por isso, elas precisam de laudos e de uma certificação da Arpansa, o único órgão no mundo responsável por testar fator UV em roupas e acessórios, que fica na Austrália.
Existem outras formas de prevenir?
Além do protetor solar, é importante usar chapéu, roupas de mangas longas de algodão e óculos de sol durante as atividades ao ar livre. E não podemos esquecer de proteger as orelhas, lábios e o couro cabeludo, que são regiões comumente esquecidas. A hidratação também é fundamental: deve-se consumir no mínimo dois litros de água todos os dias. E vale reforçar: evite o sol nos “horários de pico” entre as 10h e 16h.
8 orientações para a compra de material escolar
Os preços de materiais escolares variam muito entre lojas, inclusive online, por isso é importante pesquisar e planejar as compras para economizar sem ter que abrir mão da qualidade nos estudos das crianças.  
Para quem tem filhos, esse é um dos maiores gastos do início do ano e devido à falta de educação financeira, diversas despesas se acumulam e as famílias se perdem em meio a tantas contas para pagar, muitas vezes ultrapassando o limite de seu orçamento financeiro.
Para começar, sempre recomendo que pensem no quanto precisam trabalhar para conseguir seu salário. A partir daí, fica fácil valorizar esse dinheiro, aprendendo a pesquisar preços e, principalmente, a negociar os valores das compras.
Então, o primeiro passo é realizar um diagnóstico da vida financeira da família, para saber exatamente quais são os ganhos e gastos mensais e quanto poderá dispor para a aquisição do material escolar. Elaborei algumas orientações sobre o assunto, são elas: 
  1. Essa despesa é recorrente, ou seja, precisa fazer parte do planejamento anual. Para que os gastos não fiquem muito pesados em janeiro, é válido poupar durante todo o ano para conseguir fazer os pagamentos à vista e obter bons descontos; 
  1. Antes ir às compras, a família pode analisar itens do ano passado e selecionar tudo o que pode ser usado novamente este ano, como tesoura, régua e mochila, por exemplo; 
  1. No caso dos livros, vale a pena procurar pais de alunos mais velhos para emprestar ou comprar por um preço mais acessível, se estiverem em boas condições de uso; 
  1. Algo interessante é reunir alguns pais e comprar itens em atacado, como caixas de lápis, cadernos e agendas; 
  1. A partir daí, é preciso fazer muitas pesquisas e traçar um orçamento para ter noção do gasto total; 
  1. Não é preciso necessariamente comprar todos os itens na mesma loja, mas se for fazer é válido pedir descontos; 
  1. No dia das compras, converse com o(s) filho(s) sobre o orçamento, para que não corram o risco de se deixar levar pelo impulso e gastar mais do que o planejado; 
  1. O ideal é sempre fazer os pagamentos à vista, mas se não for possível, opte por poucas parcelas que caibam no bolso, para não comprometer as finanças de 2018 por vários meses.

Reinaldo Domingos está a frente do canal Dinheiro à Vista. É Doutor em Educação Financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin – www.abefin.org.br) e da DSOP Educação Financeira (www.dsop.com.br). Autor de diversos livros sobre o tema, como o best-seller Terapia Financeira.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

IPVA e IPTU: veja se é melhor pagar à vista ou parcelar

Por Metro Jornal

IPVA e IPTU: veja se é melhor pagar à vista ou parcelar


Fazer um planejamento para pagar as dívidas do começo do ano, como o IPVA e IPTU, pode ajudar a manter a  vida financeira organizada. Mas mesmo que esses gastos já sejam esperados, há quem fique em dúvida sobre o que é mais vantajoso: pagar à vista ou parcelar.
Nem sempre quitar esses débitos de uma vez pode ser a melhor alternativa. Tudo vai depender se a pessoa se preparou, se há dinheiro extra e até se outras dívidas não merecem prioridade, explica Edward Cláudio Jr., especialista da DSOP, organização dedicada à disseminação da educação financeira.
"A pessoa que não fez nenhuma reserva financeira vai ter que olhar para o próprio orçamento e ver se é possível pagar à vista sem comprometer outras contas", explica o educador. "Por isso, antes de decidir a forma de pagamento, é importante avaliar a própria conta bancária".
Segundo ele, no caso do IPTU é preciso ficar atento à data de vencimento da primeira parcela. "Se já há dinheiro para isso, o melhor é pagar à vista e aproveitar o desconto", orienta.
Para quem não se planejou, está sem dinheiro ou vai pagar multas, a dica é se atualizar do valor real da dívida para procurar a melhor solução. "Falar com a família para ver quais gastos podem ser reduzidos também pode ser uma forma de lidar com esse momento", afirma Edward.
O especialista também chama atenção para a importância do planejamento para quem não quer passar por apuros financeiros a cada ano. "Quem já tem uma educação financeira mais apurada pode dividir o valor do IPVA e do IPTU ao longo do mês, em uma aplicação. Assim, quando chegar o começo do ano, a pessoa já tem esse valor reservado".
Outra dica do educador financeiro é usar uma parte do 13º salário para pagar esse tipo de despesas e começar o ano com a conta no azul.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Amar é viver, conviver, SER!

A melhor forma de comunicação é a do amor, sem ele não tem como sobreviver a dias tão amontoados 




O amor surgiu, pois, a vida é relacionamento. Os seres humanos estão constantemente se relacionando com alguma coisa, sejam animais, alimentos do reino vegetal e mineral, objetos produzidos pelo homem, pessoas, pensamentos, sentimentos e situações. Em cada região do mundo existe um tipo de cultura, clima, vegetação e ambiente que muda conforme o tempo e com isso o amor também se modifica. Faz parte do processo de evolução a transformação. 
Segundo Larriane Lopes, Coach Holística pelo IBC, "precisamos diariamente iluminar nossas sombras e libertar-se do apego a elas. O amor tem que ser despertado pois em algum momento foi esquecido/adormecido dentro de nós. E isso é importante pois é o amor que nos move nesse plano e sem ele começa-se a viver em uma profunda angústia, depressão, falta de pertencimento, motivação para acordar de manhã e assim a vida perde o sentido. O amor desperta a compaixão que é quando podemos nos colocar no lugar do outro, sentir sua dor, reconhecer seu potencial adormecido e servir com uma vontade genuína de dar força para o outro brilhar sendo feliz e satisfeito. É importante plantar todos os dias o que se quer colher e as vibrações que quer ter ao seu redor", explica.
Atualmente os relacionamentos e o amor acontecem de forma mais fluída e rápida devido a aceitação da sociedade, o dinamismo das informações, da economia, da forma de negociar e viver o dia-a-dia. "Tudo está relacionado ao amor ou a falta dele. Para amar é preciso ter coragem e disposição para demonstrar a sua vulnerabilidade e abrir mão de uma série de vícios e comportamentos que estão enraizados dentro de nós pelo ódio e medo como apegos, jogos de acusação e poder, dependência, ciúme, posse, vingança e todos os outros mecanismos de defesa que tem origem na carência afetiva. Responsabilidade para não culpar o outro pela sua infelicidade e sim entender e evoluir com a dor e o problema que está dentro de cada um de nós. Confiança para encarar seus medos e compreensão de que problemas são processos de evolução e aprendizagem que fazem parte da jornada e é através deles que avançamos", exalta a coach. 
Larriane chega a concluir que o amor é uma qualidade de cada Ser conforme a manifestação da sua essência. É um estado permanente da alma, uma presença constante. Já a paixão pode iniciar do processo de união entre duas pessoas, porém raramente permanece em um relacionamento longo pois ela tem como objeto uma fantasia, uma idealização do outro ou de algo. "A paixão é egoísta, pois acredita-se querer bem ao outro mas a verdade é que só nós podemos curar nossas feridas. Ela move impulsos que gera no individuo vontade de ir além de si mesmo e de querer o outro feliz mas sempre também para curar uma dor interna. Se uma relação não tiver amor, estas feridas despertam eventualmente em insegurança, ciúmes, carência, possessão ou outras dores. Atraímos exatamente o que precisamos reintegrar e o casal precisa ser maduro o suficiente para lidar com estas questões que fazem parte do processo de evolução de cada ser, e assim, quando se cura essas feridas pode-se alcançar a meta maior que é o amor", finaliza a especialista.
Serviço: Larriane Lopes
Coach Holística
(11) 9994967800
Instagram: @larrianelopes